Ao utilizar este website está a concordar com a nossa política de uso de cookies. Para mais informações consulte a nossa Política de Privacidade.

OK

A moda sustentável é um termo amplo, muito utilizado para descrever e incluir todos os processos de produção, utilização e venda de produtos fabricados pela indústria têxtil.

Dentro da moda sustentável cabem, por isso, todo o tipo de atividades: desde o modo como as fibras são produzidas e tratadas para a criação de malhas circulares, até ao modo como estas são depois transformadas, distribuídas e vendidas ao consumidor final.

Aliás, mesmo as leis com impacto na indústria têxtil podem ser lidas e aplicadas à luz da moda sustentável.

Tudo isto tem uma razão de ser: a indústria têxtil é responsável pela emissão anual de 4% a 10% das emissões de gases de efeito estufa, em todo o mundo. 

Tendo em conta a emergência das alterações climáticas e a urgente procura por novas soluções, a moda sustentável acaba por ser assim um termo universal para a promoção da sustentabilidade dentro da indústria têxtil.

O impacto ambiental da moda produz efeitos em toda a linha, nomeadamente na poluição da água e do ar.

Por isso, se quer saber tudo sobre a moda sustentável, incluindo o modo como pode contribuir, continue a ler.

 

O que é a moda sustentável?

A moda sustentável é uma prática que conjuga todos os envolvidos na indústria têxtil: criadores (fauna e flora), produtores, vendedores, compradores e consumidores.

Para ser eficaz, a moda sustentável deve ter em conta o ciclo de vida de qualquer peça têxtil, desde a sua origem (animal ou vegetal) até ao momento em que é descartada e se torna inutilizável.

Assim sendo, a moda sustentável é mais do que um termo altamente inclusivo.

É um verdadeiro movimento que trabalha para atingir a neutralidade carbónica do mercado têxtil tendo em conta a integridade ecológica da natureza ou as noções de justiça social.

A moda sustentável preocupa-se com a total transparência ao longo de toda a cadeia de produção, na qual se incluem a origem das fibras orgânicas, o bem-estar animal e as condições de trabalho de todos os envolvidos. Tudo isto sem nunca colocar de lado o seu potencial impacto ambiental.

É por isso que a moda sustentável também responde por “moda lenta” ou “slow fashion” por oposição à chamada “fast fashion” muito comum hoje em dia: peças têxteis de fraca qualidade, pensadas para a utilização a curto prazo e produzidas no modo mais barato ou lucrativo possível.

 

A importância da moda sustentável

Naturalmente, a importância da moda sustentável é quase autoexplicativa. É fácil de entender: se todo o processo de produção e venda de peças têxteis for sustentável, todos ficamos a ganhar. Mas, dito assim, é demasiado genérico.

Por isso, dividimos a importância da moda sustentável em três grandes benefícios.

 

Menos desperdício

Uma das principais características da moda sustentável é o longo-prazo. Todas as peças têxteis produzidas de forma sustentável têm não só mais qualidade, como são mais resistentes. 

São peças feitas para durarem mais tempo. Mas, mais do que isso, são também peças tendencialmente criadas a partir de fibras de origem orgânica e, por isso, biodegradáveis.

Ou seja, mesmo depois de serem utilizadas durante muitos e bons anos, mesmo depois de poderem vir a ser recicladas e mesmo que acabem numa lixeira, em qualquer parte do mundo, serão sempre absorvidas de novo pela terra.

 

Menos água, menos energia e menos gases de efeito estufa

A moda sustentável utiliza materiais de origem orgânica ou reciclada. Isso tem vários benefícios, mas há dois que se destacam: a sua produção requer menos água e produz menos gases de efeito estufa.

As fibras utilizadas para a criação de novas malhas circulares não requerem a utilização de qualquer tipo de pesticidas nem fertilizantes. Ao mesmo tempo, requerem menos quantidade de água para serem produzidas, bem como exigem menores tratamentos químicos. 

A indústria têxtil é uma das indústrias que mais água utiliza.

Por isso mesmo, a moda sustentável procura utilizar fibras como o linho ou o algodão orgânico que requerem menos água durante a sua fase de produção. Em conjunto, tudo isto implica ainda uma maior eficiência energética ao longo de todo o processo de criação. 

 

Melhores condições de trabalho

Muita da produção têxtil feita hoje em dia só é possível porque existem fracas condições de trabalho numa grande maioria dos países onde algumas das marcas mais reconhecidas do mercado operam.

Na moda sustentável, a prioridade deve ser dada também aos colaboradores. Isto é feito através de uma remuneração justa (pelos padrões dos países considerados desenvolvidos), bem como da melhoria das condições de segurança e de saúde de todos os colaboradores.

Moda Sustentável

Moda sustentável para marcas

Como vimos, a moda sustentável deve ter em conta toda a cadeia de produção da indústria têxtil. Para as marcas, uma das melhores formas de contribuírem para a moda sustentável, além das que mencionámos em cima, é a seguinte: conheça a origem dos materiais.

É muito simples. As marcas são as primeiras responsáveis por fazerem a ligação entre o consumidor final e os criadores e produtores de fibras têxteis.

Por exemplo, uma peça de roupa sustentável só pode ser assim considerada quando as fibras que a compõem são também elas frutos de um esforço pela sustentabilidade e a produção responsável.

Nesse sentido, importa conhecer os materiais com os quais trabalha. O algodão orgânico, por exemplo, requer muito menos água do que o algodão convencional.

Se estiver à procura de materiais para desenvolver a sua marca de roupa sustentável, procure por empresas devidamente certificadas para o efeito. O certificado GOTS – mais um exemplo dedicado ao algodão – garante a produção sustentável não só de algodão, mas de lã orgânica também.

E se for consumidor? Independentemente de estar à procura de roupa sustentável para mulher ou de roupa sustentável para homem, veja em seguida como pode contribuir para a moda sustentável.

 

Como praticar a moda sustentável?

Existem alguns modelos de negócio focados na moda sustentável que são bastante inovadores. Um dos exemplos é a possibilidade que algumas marcas sustentáveis oferecem ao seu público: o aluguer de roupa para ocasiões específicas – desde uma convenção de empresa até aos casamentos.

Contudo, ao consumidor importa apenas lembrarmos três palavras essenciais: rejeitar, reduzir e reutilizar. Por esta ordem.

 

Rejeitar

Por rejeição, entenda-se seleção. Para praticar a moda sustentável procure escolher, apoiar ou até investir em marcas de roupa sustentável.

Investigue o melhor que puder e selecione as marcas de roupa que melhor conjuguem o seu gosto particular e o impacto positivo que possam causar no ambiente. Normalmente, estas marcas são certificadas pela OEKO-TEX.

 

Reduzir

Ao rejeitar a “fast fashion” e ao selecionar marcas de roupa ambientalmente responsáveis, já está a reduzir. A ideia é mesmo essa: comprar menos, mas comprar melhor.

Compre as peças de roupa que realmente precisa e no caso de não saber responder, como tantas vezes nos acontece, pergunte-se: vai utilizá-la, pelo menos, trinta vezes? Se a resposta for sim, avance. Se a resposta for “não”, “talvez” ou “não sei”, então aguarde por uma próxima. 

 

Reutilizar

Quando seleciona melhor as peças de roupa que adquire, está a optar também pela qualidade e, por isso, pelo tempo que vão durar. 

Ao tomar conta das suas roupas contribui também para a moda sustentável. Mas a reutilização pode ir um pouco além. Por exemplo, pode adquirir novas peças de roupa em lojas de segunda-mão – esta opção tende a ser também mais viável economicamente

Desta forma, não só ajuda a estender a vida útil destas peças, como lhes dá uma nova vida e evita que as mesmas terminem mais cedo nas lixeiras.

Ao mesmo tempo, lembre-se de fazer o mesmo com as suas próprias roupas: quando nãos quiser, garante que elas encontram novos donos e continuem a ser utilizadas.

Compete