Ao utilizar este website está a concordar com a nossa política de uso de cookies. Para mais informações consulte a nossa Política de Privacidade.

OK

As fibras artificiais são um material produzido em laboratório para a criação de malhas circulares. Contudo, ao contrário das sintéticas, estas são produzidas a partir de uma matéria-prima natural.

O elemento mais comum utilizado na produção de fibras artificiais é a celulose, razão pela qual muitas são também conhecidas por fibras celulósicas regeneradas. A celulose é uma substância natural que se obtém a partir da madeira ou do algodão. 

Durante o processo de produção, a celulose passa por processos de adição e reações químicas que culminam na criação de fibras artificiais. 

Tal como as sintéticas, as fibras artificiais foram criadas para simularem e melhorarem as propriedades das fibras naturais. Ou seja, a sua fonte é a natureza, mas reconstituída de maneira artificial. Esta reconstituição permite reforçar algumas das suas melhores características, tais como a intensidade da cor, uma maior resistência aos efeitos da luz e ainda a sua capacidade de absorção.

A sua popularização cresceu em paralelo com o aumento exponencial da população, que passou a exigir todo o tipo de produtos a um custo mais baixo e de forma mais rápida.

Ao mesmo tempo, ajudou também a reduzir a dependência da indústria têxtil da produção agrícola, principalmente numa fase em que os efeitos das alterações climáticas se começam a sentir um pouco por todo o mundo.

O que são fibras artificiais?

Para melhor entender o que são fibras artificiais, é importante conhecer as fibras naturais.

Muito resumidamente, as fibras naturais são aquelas que encontram a sua origem na natureza, nomeadamente em plantas ou animais. As mais conhecidas são o algodão (planta) e a lã (animal). Os outros dois tipos de fibras, sejam artificiais ou sintéticas, são necessariamente produzidas em laboratório. 

Tanto as primeiras como as segundas são desenvolvidas para simularem ou melhorarem as propriedades das fibras naturais. 

As fibras artificiais são então produzidas a partir de algumas matérias naturais, mas são tratadas, manipuladas e melhoradas em laboratório. 

Ou seja, ainda que a sua origem seja efetivamente a natureza, os vários processos pelos quais passam tornam impossível a sua qualificação como “natural”, passando a ser classificadas por fibras artificiais. A primeira a ser descoberta foi a Viscose, no final do séc. XIX. Este é um dos tipos de fibras artificiais mais conhecidas hoje em dia. Mas há dezenas mais.

 

Tipos de fibras artificiais

Por ser a mais antiga das fibras artificiais, a Viscose é por isso a mais conhecida do mercado.

É produzida a partir da celulose, a mesma matéria-prima natural que dá origem a outros dois tipos de fibras artificiais: a Modal e a Lyocell, também conhecida por Tencel. 

A Modal é o resultado do mesmo tipo processo pelo qual se obtém a Viscose. Contudo, algumas das substâncias envolvidas são diferentes, bem como são os tempos, as temperaturas e as quantidades necessárias para o efeito. Com a Lyocell, acontece o mesmo.

Mas o seu reconhecimento está mais associado às suas propriedades biodegradáveis, fazendo da Lyocell uma escolha ambientalmente responsável. O seu nome alternativo – Tencel – deve-se à empresa responsável pelo seu desenvolvimento original e o seu registo sob essa designação.

Na ITJV, encontra malhas circulares tricotadas com estas fibras artificiais, mas também malhas circulares em fibra de bambu, Seacell, Cupro, Cell Solution, entre outras.

 

Características das fibras artificiais

As fibras artificiais possuem algumas propriedades únicas. A sua resistência é a sua característica mais imediatamente reconhecível. Apesar disso, porque a sua origem é também natural, uma grande maioria das fibras artificiais é biodegradável. 

Ou seja, apresentam-se enquanto soluções mais sustentáveis para a produção de artigos que respondem às preocupações mais atuais dos consumidores.

Além da sua resistência e biodegrabilidade, são também conhecidas pelo seu toque macio e capacidade de retenção da cor.

Não requerem grandes cuidados, com exceção ao facto de terem de ser passadas a baixas temperaturas, sem vapor. Por último, não absorvem a transpiração, embora retenham alguns odores.

 

Comprar fibras artificiais

As malhas circulares tricotadas com fibras artificiais são muito utilizadas para a criação dos mais diversos tipos de peças. A sua composição química permite a simulação das características obtidas nas fibras naturais, mas com um menor custo de produção.

Contudo, é quando estas se misturam com as naturais que o seu desempenho preenche realmente todas as necessidades dos consumidores, incluindo aquelas associadas à sustentabilidade.

Na ITJV, as fibras artificiais estão disponíveis apenas através de solicitação de catálogo e validação de amostras.

 


Este artigo foi produzido e publicado em 2021

teste Apoios ITJV NA